quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Libélulas - As Fadas em Forma de Animais

Em um dos post tratei das origens das fadas na Grã-Bretanha e da relação delas com os antigos pictos que habitavam as terras do norte, na Escócia. Como este é um assunto bastante complexo, com o tanto que foi especulado e o pouco afirmado, posso apenas cogitar uma das origens das fadas. É uma versão que faz sentido se levados em conta os hábitos dos antigos pictos, correlacionando-os com o que se contam das fadas.
Se as fadas têm origem nos pictos ou são espíritos destes povos, como foi que estes seres se tornaram alados?
Bem, há deduções em relação a isto que chegam bem próximo à algumas respostas.
No post anterior citei como os pictos atuavam em suas batalhas. Por serem humanos de baixa estatura, podiam se esconder com facilidade; eram grandes guerreiros; pintavam-se de azul; subiam em árvores de onde pulavam de uma para outra; corriam velozmente e pareciam desaparecer repentinamente. Segundo os relatos históricos, assim era este antigo povo.
Há uma frase que na antiguidade era muito difundida e que até hoje é utilizada que diz que, quando alguém corre muito rápido, este "corre com o vento" ou simplesmente "voa". Sabemos que os pictos eram seres que pareciam mesmo voar com o vento por saltarem de uma árvore à outra com muita habilidade, e por correrem velozmente.
Certo é que, os pictos, ao se tornarem lendas, podiam ter adquirido asas como as dos pássaros ou outros seres e animais voadores, como as dos anjos ou dos dragões. Mas, por que as fadas são representadas com asas de libélulas? Muitas vezes de borboletas?


Há algumas explicações se nos focarmos nas características dos povos que estamos tratando e dos animais em questão.
Os pictos, ao contrário dos famosos anões e elfos das mitologias nórdicas (escandinava  / germânica), tinham uma diferença marcante quando colocamos uns ao lado dos outros. Primeiramente, os pictos eram diferente dos anões porque, assim como os pigmeus, eles eram seres de baixa estatura, porém delgados e, em relação aos membros do corpo muito mais proporcionais. Anões têm, normalmente, encurtamento de membros e musculatura bem desenvolvida. Os elfos, cujas origens estão na mitologia do norte do continente Europeu, a principio, eram conhecidos como seres mágicos, porém, em muitas lendas eram descritos como altos, assim como nos contos de Tokien em "O Senhor dos Anéis".
De todos estes citados, somente as fadas adquiriram asas ao longo das mitologias, e a explicação pode estar mesmo na origem de sua forma física.
Os pictos eram magros, leves e rápidos. Se fossem gordos, pesados e lentos, certamente não conseguiriam subir em árvores e nem correr com tanto sucesso. É aí que está o grande diferencial das fadas de origem picta com outros seres fantásticos. Não que haja algum problema em ser gordo mas, para eles, assim como para os celtas, ser gordo era ser mau guerreiro.
Analisando as características dos "pictos-fadas" e as das libélula, podemos dizer que há grandes pontos em comum. As asas que os pictos passaram a ter depois que começaram a dizer que eles podiam voar; a cor azul cintilante que eles pintavam o corpo (cor que as libélulas também possuem) e o corpo delgado, pequeno e longilíneo.
Há filmes como "O Labirinto do Fauno" e "O Encanto das Fadas", que mostram fadas disfarçadas de libélulas e libélulas que se transformam em fadas. Certo é que a relação das fadas com as libélulas é muito antiga, tão antiga que é difícil dizer quando foi que estes seres encantados adquiriram asas.
De toda forma, acredito eu, não seriam tão fabulosas e encantadoras se não as tivessem.




2 comentários:

Luciana Pena disse...

Muito legal, este post.
Não há dúvidas da Magia nestes seres. Eu tenho uma coisa a contar: Eu estava lendo O Retorno de Merlin... pela 4ª vez, eu acho, rsss... há pouco mais de um mês. Mais um daqueles rompantes intuitivos enqto espero por .... Em uma das passagens há uma metamorfose e esta foi de uma libélula para um outro ser menos limitado. Eu senti que a minha situação era bem parecida com a descrição do autor de estar saindo naquele corpo na busca pela evolução espiritual. Pedi um sinal se caso, eu estivesse no caminho certo. E qual não foi minha surpresa, no dia seguinte, pousada no beiral da escada havia o q????? Uma libélula!!!!! E o melhor foi minha pequena que a viu!!!! Peguei aquele corpinho enrijecido e o coloquei no meu vaso de flor e fiquei admirando-a até que ela se desfez com o vento dias depois seguindo seu curso... Sutileza na Magia!!!

Gilberto Lima disse...

Os espíritos estão sempre em evolução. Sejam encarnados ou desencarnados. Não importa sua religião ou dogma que acredita.
Os seres "elementais" o próprio nome já diz: Origem do Universo" que merecem respeito. Acompanho o blog com muita admiração.

Postar um comentário