terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Crataegus - O Pilriteiro

Costumo dizer que não se conhece o Pilriteiro mas se conhece o Crataegus. Isto porque seu uso na medicina fitoterápica e homeopática é bastante comum, porém, o nome que eles utilizam é simplesmente o nome científico deste espinheiro.
Fato que poucos sabem é que o uso do crataegus é muito mais antigo na medicina natural do que se supõe. 
O Pilriteiro é também é conhecido como "espinheiro-branco" ou  "espinheiro-alvar" e é provável que a origem do nome "Hawthorn" (um pouco redundante quando traduzida para o português) seja uma variante de "Hedgethorn" (cercas vivas). Hedge (cerca) por sua vez deriva de "Haga" que compartilha a mesma raiz de "Hag" (Bruxa). 
As bruxas sempre foram consideradas seres que estavam nos limites entre este mundo e o mundo mágico, sobrenatural, imortal, além. Ou seja, eram conhecedoras e mediadoras das passagens entre este mundo e o outro.
O Pilriteiro é, sem dúvidas, uma das árvores que mais se relaciona com as bruxas e era considerado tão sagrado que corta-lo podia levar à uma punição de morte. Isto porque acreditavam que cortar um espinheiro podia trazer má-sorte para toda uma comunidade.


O Piriteiro de Glastonbury

José de Arimatéia e o Pilriteiro
Reza a lenda que nos primórdios do cristianismo, José de Arimatéia ao sair do Oriente rumo à Inglaterra, levava consigo o "Santo Graal". 
Sua intenção era enterrar o Graal e fundar uma Igreja onde o Cristo pudesse ser reverenciado.
Ao chegar em Glastonbury vislumbrou a "Ilha das Macieiras" (Avalon) e bateu seu cajado na Colina de Wearyall. Logo que cravou seu cajado, este começou a brotar e de seus ramos saíram centenas de flores. Nasceu alí um belo Pilriteiro que foi  chamado posteriormente de "o báculo de Arimatéia".
O santo, acreditando que isto era um sinal, construiu alí a primeira Igreja Cristã da Grã-Bretanha.
De acordo com os historiadores, realmente existia um famoso pilriteiro na proximidades do lugar mas fora cortado na revolução puritana.
Os monges de Glastonbury o perpetuaram e o santificaram fazendo com que a população acreditasse na lenda de José de Arimatéia provavelmente para desestimular os ritos e as práticas pagãs ao redor dele.
Em minha concepção, até mesmo os monges tinham receio de corta-lo, por isso preferiu-se criar uma lenda cristã ao redor da mitológica árvore.


4 comentários:

Urania disse...

Adorei o blog, parabéns! Estou a procura desta planta, vc saberia me dizer se é possível encontrá-la no Brasil? Grata!

Hugo Mendes disse...

Olá Urania,
É muitíssimo raro encontrar um pilriteiro aqui no Brasil mas, dependendo da sua necessidade, é possível encontrar em casas de homeopatia ou lojas onde vendem ervas embaladas, o "Crataegos" em saquinho, já com parte das folhas e ramos, secos e destrinchados.
Espero ter ajudado... Obrigado pela visita!

Scarlet Rose disse...

Amei o blog!

Rodrigo Martins disse...

No face LLYR RIOZ eles tem essa erva e muitas outras dificilimas de encontrar... É uma loja especializada em produtos para bruxaria.

Postar um comentário